Início » Cristão diz que oração dos profissionais de saúde o ajudou a sobreviver à Covid-19

Cristão diz que oração dos profissionais de saúde o ajudou a sobreviver à Covid-19

0 comentário

 No início deste ano, enquanto minha família almoçava após o culto na igreja, minha filha lamentou que parecia não haver mais grandes milagres. Ela havia lido sobre Jesus andando sobre as águas, transformando água em vinho e alimentando 5.000 pessoas com apenas cinco pães e dois peixes. Foram milagres impressionantes, ela pensou, mas eram nos velhos tempos.

Minha esposa notou que ainda existem milagres no mundo hoje. Muitos deles são pequenos demais para serem notados, mas são igualmente importantes e poderosos.

Descobrimos o poder desses pequenos milagres um mês depois, quando o coronavírus devastou meu corpo.

Fiquei na cama com febre por quatro dias antes que minha esposa Dylana me levasse ao pronto-socorro. Naquela época, o hospital não tinha exames COVID-19 suficientes e, embora eu tivesse muitos dos sintomas, eles me liberaram para voltar para casa após algumas horas.

Quando saí do hospital, a enfermeira aconselhou minha esposa e eu a comprar um oxímetro de pulso, um dispositivo que se prende na ponta de um dedo para monitorar o nível de oxigênio no sangue. Dylana vasculhou a internet e descobriu que havia apenas uma unidade em Dallas – em uma loja a um quilômetro de nossa casa.

Dois dias depois, o dispositivo revelou que meu nível de oxigênio havia caído drasticamente. Partimos imediatamente para o hospital.

Fui internado e submetido a um teste de coronavírus. Nos dias seguintes, meu nível de oxigênio continuou diminuindo. Fui transferido para a UTI e colocado ventilador.

Minha esposa pesquisou tratamentos potenciais e soube de uma droga imunossupressora que estava sendo investigada como tratamento para COVID-19. Ela ligou e descobriu que em todo o sistema de saúde, faltavam apenas duas doses. Meus médicos garantiram as doses para mim.

CJ MacDonald com sua esposa Dylana cerca de dois meses após sua internação.

Quando acordei após ser retirado do respirador, pensei ter dormido seis horas. Fiquei surpreso quando me disseram que haviam se passado quase quatro dias. Embora minha visão ainda estivesse embaçada e meu corpo fraco, pude ver que havia recebido mensagens de texto de 43 pessoas. Também descobri que, quando minha vizinha ficou sabendo de minha condição, parou no estacionamento do lado de fora da minha janela e orou por mim.

Um fluxo constante de funcionários do hospital que não trabalhavam em meu caso aparecia, ficava do lado de fora do meu quarto de isolamento e apenas me encarava. Minha enfermeira me disse que eu era o único paciente no chão que havia sido retirado do respirador até então. Aparentemente, eu estava dando esperança à equipe do hospital durante seus turnos diários cheios de caos, incerteza e tristeza.

O velho ditado diz que não há ateus em trincheiras. Poderíamos adaptar essa afirmação para dizer que não há ninguém sem fé em uma unidade de cuidados COVID-19. Os pacientes, suas famílias e os profissionais de saúde estão constantemente orando por milagres e bênçãos do Senhor. Afinal, drogas, tubos e ventiladores não podem fazer muito.

Minha história está cheia de pequenos milagres. Encontrar o único oxímetro de pulso disponível em Dallas para me alertar sobre meu declínio. Ser capaz de obter o tratamento experimental para ajudar na minha recuperação. As orações do meu vizinho e de muitas pessoas que procuraram minha esposa e eu. E sendo o primeiro paciente COVID-19 da minha unidade a sair do ventilador. Esses milagres acontecem todos os dias. A verdadeira fé os torna possíveis e visíveis se abrirmos nossos olhos para eles.

FONTE: FILHOS DE DEUS, CRÉDITOS: BPNEWS

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais informações