Início » Argentina aprova projeto de lei sobre aborto apesar da resistência de evangélicos, católicos

Argentina aprova projeto de lei sobre aborto apesar da resistência de evangélicos, católicos

0 comentário

Apesar da oposição fervorosa dos cristãos evangélicos e católicos romanos do país, o governo nacional da Argentina votou para permitir o aborto eletivo antes de 14 semanas de gestação. 

Em votação na madrugada de quarta-feira, o Senado do país sul-americano votou por 38 a 29 para aprovar uma medida previamente aprovada pela Câmara dos Deputados, segundo a BBC . 

Reagindo à sua passagem no Twitter, o presidente argentino Alberto Fernandez escreveu: “O aborto seguro, legal e gratuito é lei.” 

“Hoje somos uma sociedade melhor, que amplia os direitos das mulheres e garante a saúde pública”, acrescentou.

Fernandez prometeu assinar a legislação. 

A votação ocorre após uma tentativa malsucedida de legalizar o aborto em 2018, quando o Senado rejeitou uma medida semelhante.
 
Até agora, o aborto estava disponível na Argentina apenas em caso de estupro ou se a vida da mãe estivesse em risco como resultado da gravidez. 

Os defensores do projeto o consideram um desenvolvimento positivo dos direitos humanos, especialmente por ter ocorrido na América Latina – há muito considerado um país culturalmente conservador, onde a Igreja Católica Romana e uma crescente população cristã evangélica têm considerável influência sobre a sociedade – e que pressagia um tendência futura na região. 

De acordo com o France24 neste domingo, embora o catolicismo continue sendo uma força na Argentina, os evangélicos emergiram na linha de frente na luta contra a legalização do aborto desde 2018. 

O sociólogo Fortunato Mallimaci disse ao canal que os cristãos evangélicos “têm o impulso do renascido”. 

Durante recentes protestos de rua em Buenos Aires, os evangélicos acenaram com lenços azuis em contraste com os verdes que os defensores dos direitos ao aborto acenaram.

A Argentina é a casa do Papa Francisco, que anteriormente comparou o aborto com a contratação de um assassino, mas que ficou quieto no debate atual embora tenha tweetado , horas antes do debate no Senado começar na terça-feira, que “o Filho de Deus nasceu um pária, para para nos dizer que todo rejeitado é um filho de Deus. Ele veio ao mundo como cada criança vem ao mundo, fraca e vulnerável, para que possamos aprender a aceitar nossas fraquezas com terno amor. ” 

Após a votação, o grupo Unidade Pró-Vida disse que a data de aprovação do projeto seria lembrada “como um dos dias mais macabros da história recente”. Da mesma forma, a conferência dos bispos católicos romanos em Buenos Aires disse em um comunicado que a legislação “irá aprofundar ainda mais as divisões em nosso país” e lamentou que a liderança da nação estava distante de como a maioria da nação se sente sobre o aborto. 

O projeto de lei argentino permite que instituições médicas privadas e profissionais de saúde optem por não realizar um procedimento de aborto, mas eles terão que encaminhar a mulher para outro centro médico.

A vice-presidente argentina, Kristina Fernandez de Kirchner, que foi presidente de 2007 a 2015, presidiu a votação e disse que foi persuadida a mudar de opinião sobre o aborto, por se opor à sua legalização como presidente. 

O impulso para legalizar a prática foi ajudado pela revolução “piba” nos últimos anos; piba é uma gíria argentina para “meninas”. As pesquisas de opinião em todo o país também mostraram que a oposição ao aborto havia diminuído. 

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais informações