Início » Refugiados ucranianos recebem consolo e oração na Polônia 

Refugiados ucranianos recebem consolo e oração na Polônia 

0 comentário

Mais de 2,5 milhões de ucranianos encontraram refúgio na Polônia, e o número continua aumentando. Mesmo em um dia chuvoso, a fronteira fica lotada de refugiados cansados ​​da guerra em busca de algum alívio.  

Os rostos são muitos, as histórias de partir o coração. Mas ucranianos de todas as esferas da vida continuam cruzando a fronteira, na esperança de encontrar um lugar pacífico para esperar a guerra que está devastando seu país.
  
Aqui em Medyka, na fronteira polonesa, era uma tarde de sábado chuvosa e fria, pois muitos refugiados, alguns deles encharcados até os ossos, pararam na tenda da Operação Bênção para se aquecer e beber algo quente. Aqui, eles também receberam cobertores, capas de chuva e um lugar para descansar da viagem. 
 
Oksana, seu filho de 13 anos e seu pai deficiente chegaram à fronteira na chuva depois de fugir de Donetsk, uma cidade no leste da Ucrânia que agora é considerada o principal alvo dos militares russos. Seu filho e marido de 21 anos ficaram na Ucrânia para defender seu país. 

“É muito difícil e tenho medo por eles, e estou realmente muito preocupada com eles”, disse ela.

Denys, um pai solteiro de 40 anos, fugiu de Kharkiv, outra área duramente atingida por bombardeios russos, depois de morar em seu porão por um mês. Ele está criando seu filho sozinho desde que sua esposa morreu há um ano e meio.  

“Era muito perigoso sair porque havia bombardeios constantes”, disse Denys. Claro, foi muito difícil, mas de alguma forma nos sentimos protegidos.”

Embora ele tenha chegado à tenda da Operação Bênção com frio, molhado e com fome, Denys saiu cheio e seco, graças a um casaco novo e uma mala novinha para colocar seus pertences. Perto dali, um bebê chorando agora está sorrindo e contente depois de ser embalado para dormir por um voluntário da Operação Bênção.

Depois que os sons da guerra começaram a dar pesadelos aos seus três filhos pequenos, Marina, também do leste da Ucrânia, decidiu fugir também, deixando para trás um filho mais velho e marido para defender a pátria. “Os russos estavam bombardeando, a guerra começou, foi ruim, realmente horrível”, disse ela. “Não sabemos onde estamos hospedados, contamos com a ajuda de voluntários, mas não queremos voltar para a Ucrânia agora.” 

Oksana, Denys e Marina também ficaram felizes em receber orações e agradecidas por alguém como a Operação Bênção estar presente em seu momento de necessidade.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais informações