Início » Pediram para sua mãe aborta-lo porque não tinha pernas, hoje inspira milhares de pessoas

Pediram para sua mãe aborta-lo porque não tinha pernas, hoje inspira milhares de pessoas

0 comentário

Uma história verdadeiramente inspiradora foi conhecida graças à inauguração da Copa do Mundo no Qatar 2022, onde um famoso influenciador se tornou a inspiração de milhares ao ser a primeira pessoa sem pernas a participar de um evento de tal reconhecimento.

Ghanim Al-Muftah, de 20 anos, nasceu com uma condição rara que não o deixou desenvolver seu corpo 100%, então ele não tem pernas, ao contrário de seu irmão gêmeo, Ahmad; e apesar de os médicos terem pedido à sua mãe para abortá-lo, ela decidiu tê-lo e o resto é história.

No domingo passado, ela foi uma das estrelas que participou da cerimônia inaugural da festa mundial de futebol deste ano, compartilhando o palco com o ator Morgan Freeman, ao fazer um discurso sobre a inclusão.

Além de ser influenciador, ele também é orador motivacional e sonha em se tornar embaixador de seu país e atleta paralímpico.

A mãe de Ghanim optou por continuar a gravidez depois que os médicos lhe disseram nas condições em que o bebê viria se ele nascesse, pois acreditava que tal deficiência poderia causar grande sofrimento para ela e para o resto de sua família.

A condição detectada foi Síndrome de Regressão Caudal, que impede a formação da parte inferior da coluna e é causadora da malformação dos ossos do quadril, pernas, órgãos e parte das costas.

Eman Al- Obaidli e Mohammed Al-Muftah, nunca desistiram do filho durante a gravidez e deixaram o bebê nascer, tornando-se um grande suporte para ele.

Eu serei sua perna esquerda, e ele será sua perna direita», disse sua mãe sobre o que ela e seu marido planejaram durante sua gravidez.

Durante sua infância, ela foi vítima de bullying por causa de sua condição e, juntamente com seus pais, eles puderam criar consciência e empatia em toda a sua região sobre o caso da criança por meio de livros escritos por eles sobre a doença, que eles distribuíram gratuitamente em toda a região.

Mesmo quando ele podia se mover em uma cadeira de rodas, ele preferiu usar as mãos para se mover, o que fortaleceu sua auto-estima.

«As pessoas dizem “o que não te mata te deixa mais forte”, meu estado de saúde me tornou uma pessoa forte e revelou todos os pontos fortes da minha personalidade», disse Ghanim, que agora pratica levantamento de peso, natação, skate, escalada e futebol também.

O jovem também atua como embaixador de boa vontade, além de ser empresário e estudante de ciências políticas; Ghanim usa sua história para que outros com deficiência possam lutar por seus sonhos impulsionados pelo apoio de suas famílias.

O momento que mais significa para mim é ver meu querido pai e minha mãe orgulhosos de mim e de tudo o que consegui, disse ele.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais informações