Início » Mesmo cercado por tropas russas igreja louva a Deus em meio a guerra na Ucrânia

Mesmo cercado por tropas russas igreja louva a Deus em meio a guerra na Ucrânia

0 comentário

As tropas russas encontraram resistência mais dura do que o esperado de soldados e cidadãos ucranianos em Kiev e outras cidades, os pastores em ambas as nações adaptaram os cultos de domingo de forma adequada.

Boletins informativos gratuitos

“Toda a igreja orou de joelhos por nosso presidente, nosso país e pela paz”, disse Vadym Kulynchenko de sua igreja em Kamyanka, 145 milhas ao sul da capital. “Após o serviço, fizemos um treinamento de primeiros socorros.”

Em vez de um sermão, foi dado tempo para compartilhar testemunhos de dias angustiantes de ataques aéreos. Muitos salmos foram oferecidos, e a mensagem de Kulynchenko centrou-se em Provérbios 29:25. O temor do homem será uma armadilha, mas quem confia no Senhor está seguro.

Tanto a ruptura quanto a vida comum estavam em exibição na Capela do Calvário de Svitlovodsk.

Andrey e Nadya, deslocados de Kiev pela barragem de mísseis russos na quinta-feira, trocaram votos de casamento em meio a uma grande celebração.

Programado para se casar neste fim de semana na capital, o casal foi mandado fugindo para a igreja natal de Nadya, 185 milhas a sudeste ao longo do rio Dnieper – com um pedido de casamento improvisado.

“No meio de uma guerra? Isso não faz sentido!” disse Benjamin Morrison, com ironia. “Mas durante a guerra é quando faz mais sentido. Que melhor lembrete de que nem a guerra pode acabar com o amor. E que melhor maneira de dizer que servimos a um Rei superior do que nos regozijar em meio ao caos?”

Eles se casaram no sábado, como planejado.

No domingo, a congregação de cerca de 80 pessoas – começando a crescer com os recém-chegados em busca de refúgio – se reuniu para ouvir um sermão sobre Davi e Golias.

“Sim, David ainda teve que lutar. Sim, ainda era difícil e assustador, mas Deus era sua confiança”, concluiu Morrison, um missionário americano veterano de 20 anos e casado com uma ucraniana.

“Que ele seja nosso também, e que ele decepe a cabeça do inimigo.”

A Ucrânia afirmou hoje que 3.500 soldados russos foram mortos até agora. A Rússia não divulgou um número oficial de vítimas.

Em relação às suas próprias perdas, o Ministério da Saúde da Ucrânia contabilizou mais de 350 civis mortos e quase 1.700 feridos na noite de domingo. A contagem relatada combina baixas civis e militares, mas resultou em 14 mortes de crianças e 116 feridos.

Taras Dyatlik, diretor regional para a Europa Oriental e Ásia Central do Conselho Ultramarino, fez as contas. Se estiver correto, em três dias de combate, 40 soldados russos morreram a cada hora; um soldado a cada minuto e meio.

Enquanto isso, 10 seminários protestantes regionais – incluindo o Seminário Teológico de Kiev e o Seminário Evangélico Reformado da Ucrânia – divulgaram uma declaração conjunta no Facebook que atraiu mais de 650 compartilhamentos.

“Somos chamados a falar a verdade e expor o engano”, afirmaram. “Condenamos veementemente a agressão aberta e injustificada destinada a destruir o estado e a independência da Ucrânia, com base em mentiras descaradas” de Putin “que são claramente contrárias à revelação de Deus”. Eles notaram:

Confessamos o poder real e ilimitado de Deus sobre todos os países e continentes ( Sal. 24:1 ), bem como sobre todos os reis e governantes ( Prov. 21:1 ); portanto, nada em toda a criação pode interferir no cumprimento da boa e perfeita vontade de Deus. Nós, juntamente com os primeiros cristãos, afirmamos que “Jesus é o Senhor”, e não César.

Expressamos solidariedade ao povo da Ucrânia. Compartilhamos a dor daqueles que já perderam seus entes queridos. Rezamos para que todos os planos do agressor sejam frustrados e envergonhados. Apelamos a todas as pessoas de boa vontade em todo o mundo para resistir às mentiras e ao ódio do agressor. Apelamos a todos para que peçam a cessação das hostilidades e exerçam toda a influência possível sobre a Federação Russa, a fim de impedir a agressão imotivada contra a Ucrânia.

Com a eclosão da guerra, Yevgeny Bakhmutsky falou de forma semelhante.

“Minha alma está triste, meu coração está dilacerado de horror e vergonha, e minha mente está chocada com a insanidade humana”, disse o pastor da Igreja Bíblica Russa em Moscou. “Não somos políticos, somos filhos de Deus. Não somos chamados a refazer o mapa geopolítico do mundo para agradar este ou aquele governante. (…) Que o mundo veja que os filhos de Deus amam e aceitam uns aos outros, não por causa da língua [ou] nacionalidade (…), mas porque foram aceitos por Cristo”.

Você também pode gostar

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Mais informações